Navegue Aqui

Notícias

População com renda até R$ 1600 deve ter prioridade

  

 

Na última quarta-feira, dia 1º, o deputado federal Eli Corrêa Filho manteve audiência com o recém-empossado secretário de Estado de Habitação, Rodrigo Garcia, licenciado da Câmara dos Deputados para um novo desafio. Sua nomeação pelo governador Geraldo Alckmin ocorreu no dia 19 de março. 

O deputado Eli Corrêa Filho pediu “especial atenção no sentido de facilitar o acesso à moradia para a população de baixa renda”. Como Democrata, Garcia reiterou que essa é uma prioridade da pasta. O secretário adiantou que vai priorizar o acesso ao crédito para apoiar a população de menor renda na reforma ou ampliação de moradias do CDHU.

Eli gostou da notícia e ressaltou que a proposta vem em bom momento. “Depois que conquistamos o nosso cantinho, depois de um tempo, a tendência natural é querermos ampliar, melhorar”, pondera o deputado. O Repórter do Povo lembra, porém, que muitas vezes “esbarramos no dinheirinho curto e vamos deixando alguns sonhos para depois”.

Segundo Garcia, “o governo de São Paulo já fez muito nesses últimos anos no setor de habitação”. O programa Casa Paulista, por exemplo, permitiu viabilizar a construção de mais de 100 mil unidades habitacionais. “O desafio, agora, é continuar inovando, buscando financiamentos e parcerias público-privadas, que permitam diminuir o déficit habitacional do Estado de São Paulo”, destaca o secretário.

Somente na última quinzena de março, o governo do Estado de São Paulo realizou a entrega de 778 moradias em cinco cidades: Osasco (300), Taboão da Serra (192), Votorantim (123), Cedral (57) e Planalto (106). Os investimentos que totalizam R$ 75,8 foram viabilizados graças às parcerias entre os governos municipais, estadual e federal.

Eli lamenta a perda da família Alckmin

O deputado federal Eli Corrêa Filho se solidariza às famílias que sofreram esta perda brutal. "Neste momento, resta-nos compartilhar a dor das famílias e pedir que Deus dê forças para que possam prosseguir". Como amigo do governador, Eli ressalta que nestes momentos "as palavras fogem, mas o abraço sincero e a oração fervorosa surtem seus efeitos", afirma Eli.

Na tarde de ontem, 2, por volta das 17 horas, o helicóptero EC-155 em que estavam o piloto Carlos H. Isquerdo, 53 anos, Thomaz Alckmin (31), Paulo Henrique Moraes (42), Erick Martinho (36), e Leandro Souza (34), caiu em um condomínio do município de Carapicuíba, na altura do km 26 da Rodovia Castelo Branco. Com a queda, duas casas foram atingidas uma pronta, outra em contrução. Em solo, nenhum ferido.

O governador Geraldo Alckmin cumpriu a difícil tarefa de reconhecer o corpo do filho caçula, Thomaz, no Instituto Médico Legal. Em seguida, ele mesmo acompanhou a chegada do caixão no Hosptial Albert Einsten, na Capital, onde o corpo será velado até às 14 horas desta sexta-feira. O corpo será sepultado em Pindamonhagaba, interior de São Paulo, cidade natal do governador e de todos os filhos.

Formado em Administração de Empresas, Thomaz era piloto de helicóptero. Ele deixa esposa, Tais, duas filhas, Isabela e Julia, e os irmãos Sophia e Geraldo Alckmin Neto.

Pancadões e bailes funk precisam de regulamentação

Nesta quarta-feira, 1º de abril, o deputado federal Eli Corrêa Filho (DEM-SP) aproveitou a visita ao secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, dr. Alexandre de Moraes, para apresentar outra reivindicação importante: a regulamentação dos bailes funks e “pancadões”, na Capital paulista.

Eli apresentou o pedido com base nas solicitações das pessoas que tem sofrido alguns transtornos com a realização dos eventos. O deputado explicou ao secretário que “os bailes funk, realizados no meio da rua com música alta, seguem pela madrugada ao som de potentes alto-falantes, rachas de carros e consumo de bebidas e drogas por menores”.

O Repórter do Povo ressalta que o pedido não é para impedir os pancadões. “Queremos que os eventos ocorram dentro da lei e da ordem sem prejudicar o sossego do cidadão”, justifica. Eli apresentou, ainda, alguns dados fornecidos pelo Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) que apontam para o registro de 4.645 ligações nos três primeiros meses do ano. Ou seja, é como se a PM recebesse 51 ligações por dia só para relatar sobre algum problema relacionado a este tipo de evento.

Para o deputado, as estatísticas comprovam que “está na hora de tomar providências”. Eli sugeriu ao secretário que, para não tirar o lazer dos frequentadores destes eventos, seja definido um “um rodízio dos locais de realização, para evitar que um mesmo endereço receba as programações todos os finais de semana”. Outra proposta é que os realizadores do evento se comprometam em encerrar as atividades até à meia-noite.

O dr. Alexandre de Moraes afirmou que a secretaria de Estado e a Prefeitura  de São Paulo vão agir em conjunto para atender mais esta demanda da população.  “A medida adotada irá permitir que os jovens possam realizar as festas, mas dentro da lei”, conclui Eli.

Eli Corrêa Filho intercede pelo IML de Guarulhos



Em atenção aos recorrentes apelos da população guarulhense, o deputado federal Eli Corrêa Filho (DEM-SP), encaminhou ofício ao secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, doutor Alexandre de Moraes, solicitando a “implementação de gestões no sentido de garantir a permanência da sede do IML [Instituto Médico Legal] em Guarulhos e viabilizar a ampliação das instalações físicas”. O Repórter do Povo pediu, também, que o número de médico legistas aumente. O IML de Guarulhos também atende a população de Mairiporã, Arujá e Santa Izabel. Optar pela desativação da unidade traria grandes transtornos para milhares de famílias.

O deputado Eli Corrêa ressalta a importância da conciliação em nome do bem-estar da população. "Temos certeza das motivações saudáveis de todos os envolvidos. Precisamos presar, porém, por agilidade na melhoria da qualidade do serviço", afirma. O deputado lembra, ainda, que os agentes públicos não podem perder de vista que o tema é delicado e atinge as famílias em um momento de muita fragilidade. "Já não bastando a dor pela perda de um ente querido, o cidadão não pode ficar exposto a problemas de ordem burocrática", conclui.

A unidade tem sido alvo de discussões há bastante tempo. Em 2013, a Câmara aprovou a revogação de doação da área que seria destina para a instalação de nova sede do IML e do Instituto de Criminalística. O local descartado fica ao lado do Cemitério Necrópole do Campo Santo, na Vila Rio. Desde que o Estado optou por não utilizar a área com mais de 5 mil m², conforme publicação do jornal Folha Metropolitana, a Secretaria de Segurança Pública estaria avaliando outros terrenos.

Também em 2013, a Câmara de Vereadores chegou a designar representantes da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Cidadania, Habitação e Assistência Social com o intuito de apurar algumas denúncias sobre o atraso na liberação de corpos. Na época, já se apurou que muitas viaturas estavam em manutenção e não havia carros suficientes para cobrir a demanda da cidade, conforme publicado pelo portal Guarulhos Web (leia aqui).

Mais recentemente, em dezembro do ano passado, o impasse sobre a permanência ou não do IML na cidade foi abordado por veículos de comunicação da cidade. O portal GuarulhosWeb noticiou que a integração dos serviços funerários entre Município e Estado, firmadas desde 1976, está ameaçada (leia aqui). Com relações estremecidas entre as esferas de poder, o atendimento às famílias enlutadas pode ficar comprometido. Com isso, registram-se transtornos em serviços como a realização de autópsias, constatações e motivos das mortes.