'Se pode salvar vidas, por que não regulamentar?'

Nesta quarta-feira (21), a Comissão de Defesa do Consumidor (CDC) aprovou requerimento para realização de audiência pública para debater a eficácia e regulamentação da fosfoetanolamina – substância sintetizada pelo professor aposentado da USP Gilberto Orivaldo Chierice e considerada medicamento revolucionário contra o câncer. 
 
 
Para o presidente da CDC, Eli Corrêa Filho, a propositura do autor do requerimento, Eros Biondini, é importante e precisa ser tratata com celeridade. "Se pode salvar vidas, por que não regulamentar?", questiona. "Defendo um parlamento dinâmico, que seja mais ágil às demandas do cidadão", argumenta. 
 
"Quando assumi a presidência assumi o compromisso de fazer do colegiado um espaço democrático, onde os membros possam apresentar suas demandas sem o receio de serem tolidos em sua atuação parlamentar" afirma Eli Corrêa. O presidente ressalta que o parlamento além de ser mais célere, precisa aprimorar uma postura de nobreza onde as diferenças partidárias não se sobreponham aos interesses do cidadão.
 
"Em nome do bem-estar do cidadão, razão de nossa presença aqui, endosso o engajamento do deputado Biondini e vamos assegurar que este assunto seja discutido com a amplitude e profundidade que é necessária", declara Eli Corrêa.  
 
Eros Biondini destaca a questão de vida ou morte implícita no tema. “Mesmo sendo a fosfoetanolamina um experimento que traz relatos de melhoras, precisamos discutir a forma de regulamentação e de pesquisas abalizadas, pois pode ser uma esperança efetiva de cura”, disse Eros.
 
Os estudos do professor Gilberto Orivaldo vem sendo realizados desde os anos 90, mas a Anvisa ainda não tem um posicionamento definitivo sobre a eficácia da droga. Em função disso, dezenas de pacientes recorrem à Justiça para garantir acesso à substância, embora seus efeitos não sejam ainda totalmente conhecidos em humanos. 
Os convidados que devem integrar a bancada da audiência são o professor Gilberto, o Presidente da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Paulo Gadelha; e o Diretor Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Jarbas Barbosa da Silva Junior.